7 de setembro de 2020

O mágico meio jogo do São Paulo

Ouça essa matéria
Tempo de leitura: 4 minutos

Num calor de 32 graus que em nada lembra o inverno paulistano, o Morumbi vazio recebeu São Paulo x Fluminense. Viu também a ‘sagaz’ jogada de marketing da Adidas em colocar o São Paulo para jogar com camisa preta em uma condição dessas.

O São Paulo fez mais um jogo Jekyll and Hyde, péssimo 1° tempo e 2° tempo de encher os olhos, assim como os primeiros 30 minutos de quinta no Mineirão. A palavra do dia porém, foi efetividade.

Bonita camisa para ser estreada num jogo debaixo de 32 graus de calor (foto: Divulgação)

O Jogo

Fernando Diniz fez modificações no time em relação ao time que perdeu do Atlético MG na quinta feira. Reinaldo estava de volta e Pablo foi desfalque de última hora. Portanto o time foi: Volpi; Igor Vinicius, Léo, Diego Costa e Reinaldo; Gabriel Sara, Hernanes, Tchê Tchê; Vitor Bueno, Paulinho Bóia e Luciano.

Como eu já tinha comentado, o 1° tempo do São Paulo foi horroroso e cheio de falhas individuais, os gols inacreditavelmente perdidos também estavam lá, quando Igor Vinicius conseguiu chutar pra fora, uma bola com meio gol aberto (talvez meio gol só, seja pouco demais para ele). Aliás o lateral foi o jogador central do SP no 1° tempo, logo depois desse lance, o juiz Paulo Roberto Alves Junior ia dando um pênalti bizarro nele, onde claramente viu-se que foi apenas uma trombada de jogo com Lucas Claro, mas já causando a fúria de Fernando Diniz, o lateral parecia querer mais. E conseguiu. Aos 39 minutos, o goleiro Marcos Felipe rifou a bola, Igor Vinicius conseguiu a proeza de ser enganado por ela, ver Wellington Silva dominar, correr para a área, dribla-lo e chutar para o gol.

Alguns dizem que Thiago Volpi falhou, mas até ele deve ter ficado surpreso com a cagada que o lateral do São Paulo fez e talvez não esperasse muito o que houve. Querendo ele ou não, o jogo foi para o intervalo com o Fluminense ganhando por 1×0.

Diniz resgata e tira coelhos da cartola

Para o 2° tempo, Fernando Diniz, que estava revoltado com a quantidade de erros que o São Paulo cometeu no 1°, logo fez 3 substituições no intervalo.

A 1a foi colocar Juanfran no lugar Igor Vinicius, a 2a foi Bóia por Brenner e a 3a Hernanes (que claramente não aguenta jogar 90 minutos nesse ritmo insano da temporada) por Igor Gomes

Ele não poderia ter mexido melhor. Exceto pelo pupilo dele, Gabriel Sara, o time começou a jogar bem. Igor Gomes e Brenner deram velocidade ao ataque e logo o empate apareceu. Numa cobrança de escanteio na direita, a zaga do tricolor do Rio cabeceou para trás e Brenner empurrou para o gol, fazendo 1×1 aos 4 do 2° tempo.

Brenner comemora o gol de empate, ele foi o nome do jogo (foto: Instagram SPFC)

O gol deu tanta confiança que a virada veio logo na sequência. Aos 8, Brenner abusou e maltratou da zaga do Fluminense e driblou pelo menos uns 4 jogadores e entrou na área sem oposição nenhuma, se ele fizesse o gol, seria um daqueles para se guardar numa moldura, mas bola, caprichosa que só ela bateu na trave e sobrou para o outro ex-Flu do time ontem. Luciano apenas de um totó com o gol vazio e fazer 2×1.

Dali em diante o São Paulo passou a administrar o jogo, o Fluminense para piorar a situação, perdeu seu melhor jogador em campo, Wellington Silva teve que sair por lesão.

Fernando Diniz cansou de Gabriel Sara e colocou Luan já para fechar a casinha e garantir os três pontos, quando aos 47 do segundo tempo, Vitor Bueno aproveitou a vantagem que o juiz deu numa falta em cima de Brenner e com um belo chute deu número finais a partida. 3×1.

Jogando pelo emprego?

Desde da vitória contra o Corinthians no outro domingo, não vejo mais Fernando Diniz com a corda no pescoço. Ainda que a derrota contra o Galo na quinta tenha um pouco de responsabilidade dele, por mexer errado, o jogo foi pra lá de polêmico e o time perdeu muitas chances de gol.

Já ontem, a efetividade prevaleceu, nos primeiros dois chutes do São Paulo no 2° tempo, saíram 2 gols. O time ainda continua perdendo gols, que talvez a sua mãe, o seu cachorro não perderiam, como um que o Luciano sozinho colocou a bola na estação de metrô do Morumbi que fica uns 800 metros do estádio.

A alegria de quem mesmo deitado resolve o jogo. Oferecimento da panela Tramontina ali atrás (foto: Instagram SPFC)

Erros individuais graves, como o do Igor Vincius, Reinaldo também errou bastante, precisam serem coibidos. E isso só vem com treinamentos

O São Paulo voltará a campo quarta, 19h15 contra o RB Bragantino de novo no Morumbi, vazio.

Share this:
Tags:

About Pedro Henrique Bezerra Pires da Silva

Pedro Henrique Bezerra Pires da Silva

  • Website
  • Email

Add Comment

Pular para a barra de ferramentas